Dead_Combo_Odeon_Promo_04©Daniel_Costa_Neves.jpg

Dead Combo

Os Dead Combo dispensam apresentações.
Em Abril de 2018 editaram o seu sexto álbum de originais. 

Odeon Hotel, assim se chama o novo disco dos DEAD COMBO. Com produção de Alain Johannes (Queens Of The Stone Age, PJ Harvey, Chris Cornell, etc), este novo disco é a síntese perfeita da portugalidade e universalidade existentes na música dos Dead Combo.

Composto por treze músicas, o novo disco conta com a participação de diversos músicos convidados na sua gravação, nomeadamente, Alexandre Frazão na Bateria, Bruno Silva na Viola D’Arco, Mick Trovoada na Percussão e João Cabrita nos Sopros. Alain Johannes, para além de assinar a produção deste disco, também participa na sua gravação. O destaque especial vai para o cantor e compositor norte-americano Mark Lanegan, que dá voz a “I Know, I Alone”, um dos mais belos poemas escritos em língua inglesa por Fernando Pessoa.


The Parkinsons. copyright@Zigpix.jpg

The Parkinsons

Os Parkinsons têm uma carreira dividida maioritariamente entre Portugal e o Reino Unido, são uma banda de culto e considerados por muitos como uma das melhores bandas Punk-Rock a surgir no circuito musical britânico no principio deste século, são inquietos, reivindicativos e altamente ruidosos.

 


Cred-RenatoCruzSantos_CONJUNTO_CORONA_STA_RITA_LIFESTYLE7.jpeg

Conjunto Corona

Corona: já provou a fama, a decadência, o empreendedorismo, o lenocínio e o sabor da chantagem. Já travou conhecimento com grandiosos players da noite e dos negócios ilícitos da baixa Portuense. Infelizmente (e apesar da sua proatividade) a vida não lhe tem corrido de feição. Depois da sua incursão pelo mundo do alterne em 2016 (relatada no aclamado “Cimo de Vila Velvet Cantina”), circunstâncias de negócio (e também a gentrificação vivida na baixa do Porto) empurraram-no para outro ecossistema: o dos arredores do Grande Porto.


Glockenwise - Moderno_João_Garcia_2.jpg

Glockenwise

Nuno Rodrigues, Rafael Ferreira e Rui Fiúsa tinham 16 anos quando começaram. Não havia nada melhor para fazer em Barcelos. Sem vocação para a cerâmica, herdaram o espírito da famosa “cena de Barcelos”, uma narrativa cool que tem o Milhões de Festa como epicentro e a boa vizinhança como política criativa na altura de arranjar sítios para ensaiar e instrumentos emprestados para começar a tocar. Qualquer coisa. Música. Canções. Discos. Subir a um palco e acabar de vez com o tédio. Depois de 3 álbuns – Building Waves (2011), Leeches (2013) e Heat (2015) –, os Glockenwise apostaram tudo em reinventar-se e ganharam. Ou melhor, ganhámos todos, um disco vibrante, viciante, que cresce dentro de nós e nos faz acreditar que o futuro da música portuguesa passa por aqui.


go_zilla 2  copy.png

Go!Zilla

Go! Zilla é uma banda italiana de Psychedelic Fuzz formada no final de 2011 em Florença e composta por Luca Landi (guitarra / voz), Mattia Biagiotti (guitarra / voz) Fabio Ricciolo (bateria) e Niccolò Odori (sintetizadores / percussão).

Eles viajaram extensivamente por 5 anos ao longo da Europa e dos EUA para um total de cerca de 450 concertos, participando, entre outros, em festivais como o Primavera Sound 2013 (ES), o Folk e o Blues 2014/2015 (FR), Paris Psych 2014 (FR), Marvin Festival 2014 (México), Eurosonic 2016 (NL), SXSW 2016 (EUA), Burger x Observatory 2016 (EUA) e dividindo o palco com Thee Oh Sees, Charles Bradley, Daniel Johnston, The Growlers, Moon Duo Crocodilos, Sonics, Night Beats, etc.


2018_Melquiades_AdrianaBarros[1] copy.jpg

Melquiades

De todas as viagens que Melquiades precisou para atingir o descanso, esta foi a mais surpreendente. Neste percurso musical unem-se os vários reinos de um rock alternativo sem a menor das pretensões sobre que estilo se designar, e ao mesmo tempo sem problemas de assumir as influências do post-rock, do math e da música étnica e latina. O abstrato e as referências tanto a cartoons como a outras riquezas do mundo audiovisual e literário dançam e tombam em ambientes que vão do mais psicadélico ao mais simples balanço da música pop. Oyster Eggs é o EP de estreia e contém 5 faixas recheadas de momentos épicos que se transformam em muita diversão e força de quem quer partilhar este mundo novo e desenterrar todos os que decidiram repousar antes do tempo.


JIBOIA_Cred_olhosAzumbir_web.jpg

Jibóia

Quando Óscar Silva apresentou Jibóia no início desta década tornou bem claro que a sua música iria beber a diferentes trópicos deste mundo, procurando uma conexão entre climas e ritmos que não obedeceriam estritamente a regras de tempo e espaço. Procurar influências na sua música é um exercício imperfeito, porque ela se abre de forma cósmica, sem barreiras, à procura de novos sons ao invés de reflectir sons que se têm presentes.


IMG-1294.JPG

Astrodome

Depois da estreia discográfica em 2015 com o LP homónimo, os ASTRODOME estão de volta aos discos com "II" - obra obrigatória para os fãs de rock instrumental.

II foi lançado oficialmente no passado dia 4 de Março em formato digital e em cassete via Ya Ya Yeah. Já o formato vinil, editado pela britânica HeviSike Records, esgotou a pré-venda em apenas três dias. O álbum foi produzido e misturado pelos próprios Astrodome e por Marco Lima nos HeartzControl Studios e masterizado por Jonas Munk (guitarrista e produtor de Causa Sui). O artwork é da artista Clara Pessanha.


sala1.jpg

Galo Cant’às Duas

A pergunta que introduz o primeiro álbum de Galo Cant’Às Duas acaba por definir o tom do que vamos ouvir: “serei eu cantor?”. Prontamente respondem “serei”, e ainda bem. Seguindo o EP “Os Anjos Também Cantam”, o grupo originário de Viseu, numa abordagem mais directa, sabem agora melhor que histórias têm para contar. De uma banda que aparece de uma frutuosa jam session, este disco revela, talvez paradoxalmente, exploração e direcção. Ao mesmo tempo, há a intenção de conhecer novos timbres e possibilidades dentro da sonoridade com que se identificam, mas também uma vontade de estabelecer uma rota. De se definirem como indefiníveis.


36671372_2013703968882713_4407974826224910336_o.jpg

Cumbadélica

MACUMBA PSICADÉLICA

Cumbadélica é um projecto iniciado pelo Igor Ribeiro e Marie Lopes quando descobriram que partilhavam a mesma paixão por música étnica na pista de dança. Cumbadélica junta culturas e pessoas de diferentes regiões do mundo, criando uma atmosfera densa e um ambiente de ritual, onde o cosmos e a magia se dissolvem com a música. Ao projecto junta-se Catarina Querido aka Pudeur, que através do vídeo explora novas visões e diferentes atmosferas que levam todos a embarcar numa viagem a outra galáxia.